Oito lições que aprendi viajando sozinha

- Atualizado em 23 de junho de 2015 - , , , ,

Estância Cristina_Patagônia Argentina

 

Para você que chegou até aqui, começo dizendo: eu já estive no seu lugar!

Surgiu a ideia de viajar sozinha, fiquei na dúvida e comecei a ler histórias de quem já fazia isso, para me familiarizar com a experiência e, principalmente, me inspirar e tomar coragem.

 

Viajar sozinho é mesmo uma boa?

 

As coisas que li sobre outras mulheres que já tinham caído nas estradas da vida em voo solo me deram aquele empurrãozinho para seguir desbravando o mundo, mesmo quando eu não tinha aquela companhia legal para viajar.

Ainda me falta muita estrada para ser alguém entendido sobre qualquer coisa, então, vamos encarar este post como as lições que uma mulher comum, como você, aprendeu quando decidiu parar de esperar por companhia para partir para as aventuras que tanto desejava.


borboleta-mato-grosso


1- Viajar sozinho é relembrar o quanto somos os maiores responsáveis pelas escolhas dos rumos das nossas vidas

Imersos em nossas rotinas, muitas vezes permitimos que outras pessoas, nossas obrigações e, muitas vezes, nossa própria zona de conforto e inércia nos ditem o que fazemos no dia a dia, sem muitas vezes pararmos para nos questionarmos sobre nossas preferências e sobre o que estamos fazendo, lembrando que deixar os outros escolherem por nós também é uma escolha.

Viajar sozinho é muito mais que “dar um tempo para a cabeça de tudo e de todos”. Ser unicamente responsável pela escolha de um destino, roteiro e hospedagem dá trabalho e pode despertar um certo medo: e se eu fizer más escolhas, a quem vou culpar e a quem vou recorrer? Mas, e com as nossas vidas, não é assim mesmo que a coisa funciona?

Somos os verdadeiros responsáveis por nossas escolhas e elas são sempre nosso mérito ou nossa responsabilidade. Tudo aquilo que não dá certo não é nenhum fim do mundo, e, na pior das hipóteses, nunca estamos sozinhos quando na vida ou nas viagens perdemos o rumo ou não conseguimos chegar ao destino ambicionado da forma como desejávamos.


2- Viajar sozinho é o maior presente que você pode se dar

Punta-Cana_República-Dominicana


Quer se dar um presente realmente grandioso? Então, compre experiências ao invés de coisas materiais e seja mais feliz.

Se viajar por aí solo parece trabalhoso, posso dizer que desse trabalho surgem resultados surpreendentes.

Com um pouco de planejamento e bom senso, sua viagem acaba dando certo e você ganha de brinde um novo manual sobre si mesmo e suas preferências.

Assim, sabendo mais sobre quem é e o que quer, você consegue dar uma sacudida na antiga rotina e traçar novas metas, muito mais compatíveis com as suas verdades atuais.

Quando se parte para uma viagem solo, o encontro com nosso verdadeiro eu acontece e, não há nada mais valioso para nossa alma do que estar em dia com nossos princípios e nossas prioridades.


3- Viajar sozinho pode ser menos solitário que a própria rotina em que se vive


Quem viaja sozinho não necessariamente faz tudo sozinho. Onde você for se hospedar ou turistar vai ter sempre no mínimo um outro ser humano que teve a mesma ideia que você, e só por isso vocês já tem algo em comum. São grandes as chances de que você vá interagir muito mais com os desconhecidos presentes nesses lugares do que se estivesse acompanhado de pessoas conhecidas, como amigos, família ou namorado (a).

Isso porque o viajante solo dispensa muito mais a sua atenção para o ambiente (ele não tem outra opção!), o que cria maiores possibilidades de interação com as pessoas que ainda não conhece.

Aliás, roteiros meio malucos e viagens para as quais é difícil encontrar parceria podem nos colocar justamente lado a lado com outras pessoas que têm os mesmos gostos que os nossos. Essas pessoas estarão lá, nesse lugarzinho para o qual somente você de todos os seus amigos quis ir. Então, porque não arriscar e ampliar o ciclo de conhecidos, amigos, rolos, romances e novos contatos para novas viagens?!


4- Viajar sozinho demanda escolher o destino, atividades e hospedagens mais apropriados para esse tipo de viagem

paraglider


Isso é fundamental para sua experiência ser a melhor possível. É claro que você pode levar sua alma aventureira para qualquer lugar do mundo, mas é mais provável que você se sinta bem, seguro e confortável em algumas situações e completamente entediado ou frustrado em outras.

Você viu fotos lindíssimas nas redes sociais dos amigos visitando Punta Cana e decidiu que quer se aventurar por lá. Se me permite, isso seria uma péssima escolha para esse tipo de viagem. O máximo de aventura que você obteria sozinho por lá seria dormir, lagartear na beira das praias cheias de casais em lua de mel ou se afogar no rum dos hotéis all inclusive por 1-2 dias, caindo em um total tédio depois disso. Isso porque Punta Cana é um programa mais legal para se fazer a dois ou com a família.

Hospedar-se em hostels, hotéis que são mais centralizados ou participar de experiências como as dos programas  Workaway, Worldpackers ou Helpx, pode ser uma boa pedida para conhecer mais pessoas durante uma viagem.


5- Viaje sozinho quando estiver pronto


cachoeira_Cambará-da-Serra_Rio-Grande-do-Sul


Viajar sozinho depende basicamente de ter vontade, dinheiro (não um horror de dinheiro, mas um bom pouco, é claro!) e desprendimento. Se você começou a viajar há pouco e teve seu “batizado” apenas recentemente em algum albergue com algum outro amigo mais experiente, pode se sentir ainda um pouco inseguro.

Leia mais sobre onde quer ir, converse com quem já foi, prepare bem o seu roteiro, e quando sentir segurança, vá. Para algumas pessoas é mais fácil, pois são naturalmente extrovertidas e mesmo sem ainda terem viajado muito já se sentem confortáveis com a ideia.

O fato é que você deve ir quando souber que está pronto para relaxar e tornar-se aberto para a nova experiência.


6- Planejar – é preciso!


bicicleta-asseio-de-Bicicleta-pelas-Vinícolas-de-Mendoza


Planejamento é algo fundamental para qualquer viagem, especialmente quando você não tem outra pessoa para lhe alertar sobre horários de voos, endereços e mapas.

Na hora de reservar uma acomodação, por exemplo, é interessante dar uma pesquisada na internet ou perguntar para outras pessoas sobre áreas mais seguras e menos seguras das cidades.

Mas, é claro que além de tentar planejar tudo em caso e antever contratempos, é importante deixar algumas brechas para descobrir coisas trocando ideias com os novos contatos que você vai adquirir quando chegar lá.

Decida alguns pontos fundamentais sobre o que quer fazer ou conhecer antes de ir e inclua no itinerário turnos para simplesmente explorar o local e/ou relaxar.


7- Mulher viajando sozinha? Também pode!


mulher_Legenda_Praia-de-Bavaro-em-Punta-Cana_República-Dominicana


Na verdade, qualquer um pode fazer qualquer coisa nessa vida. Para quem viaja com frequência, ler uma afirmação dessas pode parecer um tanto boba, já que é só começar a viajar um pouco para se deparar com inúmeras pessoas de todas as idades, religiões e culturas que estão por aí fazendo os roteiros mais diversos, com objetivos igualmente distintos. Você, mulher, deve ir para onde tem vontade e se sente segura.

No Brasil, com a melhora do poder aquisitivo do nosso povo e a ascensão da cultura de viajar, hoje é possível ver também mais das nossas mulheres viajando sozinhas por todo o mundo, assim como as europeias já o fazem com o maior desprendimento há muito tempo.

E se segurança física é o maior dos medos da mulherada, vale lembrar que para mulheres ou homens, o bom senso é a melhor proteção contra os infortúnios evitáveis da vida. Além disso, damos o limite que queremos às outras pessoas, e informar-se sobre a cultura e os hábitos dos locais que visitamos também nos safam de grandes enrascadas.


8- O resultado de viajar sozinho sempre será positivo


Torres-del-paine


Uma coisa é certa. Só por você ter ido, a vida já te deu muitos pontos. Coragem não é não ter medo, e sim ter medo e mesmo assim fazer as coisas que deseja. Por mais que você vá, se decepcione com o lugar, com a proposta de um albergue, com as atividades que escolher ou, no final das contas, perceba que não gostou de ir para um lugar desconhecido sozinho, você não vai ter perdido nada.

Além disso, no mínimo, ganhou algumas histórias para contar! Mas, com toda certeza, terá ganho bem mais que isso, e as chances de ter sido algo bem divertido e surpreendente são, na verdade, bem maiores.

Eu me arrisco a dizer que é quase certo que você irá adorar e se arrepender de não ter vivenciado isso antes.

Bora cair na estrada?!



Curta o Escolho Viajar no Facebook | Twitter | Instagram | Pinterest | Google+ !


 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar